11 de dezembro de 2016

VERDADES  E  MENTIRAS  DA  BOLSA

Nesta edição:

©Jayme Ghitnick
2001 a 2016

Volume 16  Edição  760

AINDA  A  MÍDIA  vs  O  MERCADO


Continuam descolados


Não há sinais maiores de recuperação da economia mundial,  sendo discreta a opinião a respeito de órgãos como o FMI ou o Banco Mundial.

O presidente eleito Donald Trump continua a ser ele mesmo nos Estados Unidos,  multiplicando declarações surpreendentes e nomeando um gabinete dito extremista pela mídia,  que vai mantendo suas piores profecias para o próximo Governo.   Apesar disso,  os índices americanos semanalmente atingem novos topos...

A cada eleição na Europa e há algumas importantes em 2017 (França, Holanda,  Alemanha), renovam-se  as possibilidades de plebiscitos, para examinar novos possíveis abandonos de membros da Comunidade Européia.    Entretanto,  os índices europeus vão se mantendo em alta.

Na  Ásia,  onde alguns indicadores estão melhores,  as Bolsas também seguem firmes e a partir de lá,   aparece um impulso de alta para muitas comodities,  mesmo com atmosfera pesada entre as duas Coréias e entre China e Taiwan,  atraindo sombrias análises pelos observadores da mídia.

Evidentemente, prossegue essa divergência entre a preocupada visão da mídia e a opinião ativa dos mercados, em geral.

Não é o caso de se pesquisar quem estaria certo e quem estaria errado,  até porque  isso é algo a verificar no futuro.

No livro "Nature's Law",  do famoso R.N.Elliott, o genial analista que considerou o seu Princípio das Ondas como uma lei da natureza,  o autor comentou sobre o valor das notícias, a importância da mídia para os mercados dizendo que :

"na melhor das hipóteses, a mídia reflete o reconhecimento de forças que já estão funcionando há algum tempo,  surpreendentes apenas para aqueles que estavam alheios à tendência......A melhor maneira de "enxergar a floresta claramente" é se posicionar acima das árvores em volta."

Ou seja,  Elliott assentava que não as notícias,  mas outra coisa é que cria os padrões evidentes no mercado.   Certo ou errado.

É comum que os investidores,  durante tendências de alta, relevem as más notícias e por vezes,  as ignorem.   O inverso se dá nas tendência  de baixa,  quando não há o que anime o humor geral.

Um axioma da análise técnica é que as tendências perduram no tempo,  uma vez estabelecidas e até sua reversão.

Ante a divergência estabelecida,  o prudente é ampliar as fontes de informação e operar com cautela  técnica.