7 de fevereiro de 2016

VERDADES  E  MENTIRAS  DA  BOLSA

Nesta edição:

©Jayme Ghitnick
2001 a 2016

Volume 16  Edição  745

CONTANDO  AS  ONDAS

Suporte em teste:

Na contagem do Ciclo atual,  temos a Onda I de dezembro de 1992 a julho de 1997, a Onda II daí até outubro de 2002,  a Onda III daí até maio de 2008 e a Onda IV vindo até agora.

A Onda IV teve uma primeira perna de baixa até  dezembro de 2008 (sub onda a), um repique intermediário até abril de 2011 (sub onda b) e a segunda perna de baixa vem se arrastando por enquanto (sub onda c).

A crise atual, política e econômica, produziu impasses que inviabilizaram os prognósticos para a Onda IV,  que supostamente tenderia ser mais curta que a média geral de 62 meses de duração, ou seja, até maio de 2013;  também não se confirmou a projeção de um  a-b-c achatado,  com a segunda perna de baixa (c) não ultrapassando o fundo da primeira (a), para formar um patamar para uma boa
alta final na Onda V,que é a próxima a acontecer no Ciclo (parte de alta).

Com essa ultrapassagem, da c sobre a, que não foi por muito, chegamos ao topo da Onda I, que não deveria ser ultrapassado pela Onda IV, um dos axiomas de Elliott.

Como em outras ocasiões,  estou inclinado a admitir uma boa faixa para margem de erro na análise de valores da escala, quando usando séries dolarizadas,  pois bruscas oscilações em ocasiões importantes podem distorcer o exame.  Não tenho regra fixa para isso, uso o possível bom senso,  como recomenda o próprio Elliott.

Está em teste, portanto,  o suporte em torno do topo da Onda I, numa linha assinalada no gráfico, em torno do Ibovespa a US$ 10.954;  atualmente, estamos perto de 10.500 e já esteve abaixo disso, na mínima de janeiro.
Superado esse suporte, toda a contagem teria de ser revista,  mas o bom senso sugere que se tenha justamente nesse ponto,  uma tolerância proporcional à extensão imprevista da  Onda IV,  que já chega a 92 meses,  quando deveria ter terminado antes dos 62 meses...